sábado, 4 de junho de 2011

Clima se mantém tenso em manifestação dos bombeiros

Para líder dos bombeiros, o governador Sérgio Cabral é omisso e não podia governar
Rio de Janeiro, Brasil – Ainda é tenso o clima no Rio de Janeiro devido à manifestação dos bombeiros por melhores salários e condições de trabalho. A mobilização começou na tarde de ontem, 03, em frente à Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) [foto], no Centro da capital fluminense. A categoria reivindica aumento do piso mínimo para R$ 2 mil. De acordo com as informações, hoje este valor é da ordem de R$ 950.
Já no início da noite, centenas de manifestantes iniciaram uma passeata e interromperam o trânsito em várias ruas da região até chegarem ao Quartel Central da corporação, na Praça da República. O local foi invadido por mais de dois mil bombeiros, que ocuparam o pátio e só concordavam em deixar o local depois de negociar com o governador Sérgio Cabral, o vice, Luiz Fernando Pezão, ou o comandante-geral dos bombeiros, coronel Pedro Machado. Essa situação acabou não aconteceu e eles passaram a noite no local.
Invasão
Já na manhã deste sábado, 04, por volta das 6h, agentes do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope) invadiram
o Quartel Central do Corpo de Bombeiros [foto].
De acordo com os policiais, foram usadas apenas armas não-letais, como bombas de efeito moral. Contudo, testemunhas informaram que alguns agentes estariam armados com fuzis.
A entrada do Bope deixou o clima ainda mais tenso. Ao todo, 439 bombeiros acabaram presos. Eles deixaram o quartel em ônibus da Polícia Militar. Inicialmente, eles foram levados para a sede do Batalhão de Choque da PM, no Centro do Rio. Depois, os bombeiros foram encaminhados para a Corregedoria da PM, em Neves, São Gonçalo, na região metropolitana.
Detenção
Ao chegarem à Corregedoria Interna da Polícia Militar, em São Gonçalo, na região metropolitana do Rio, os bombeiros presos foram levados para um campo de futebol, onde todos
colocaram as mãos na cabeça e, num gesto de protesto, formaram a palavra SOS no campo [foto], estendendo uma bandeira do Brasil dentro da letra O. Depois, eles fizeram uma reunião e decidiram voltar para dentro dos 14 ônibus que os levaram para o local.
Acusação
No início da tarde, durante coletiva à imprensa no Palácio da Guanabara, o governador Sérgio Cabral [foto] falou
sobre a invasão dos manifestantes ao Quartel dos Bombeiros. Ele afirmou que a invasão foi um ato abominável e intolerável. "Não há negociação com vândalos, não negocio com vândalos", disse Cabral, que afirmou várias vezes que os 439 manifestantes detidos responderão criminalmente e administrativamente pelos seus atos. O processo administrativo já foi aberto por sua determinação, enquanto que o processo criminal depende do Ministério Público.
Crítica
Também na tarde de hoje, 04, por telefone, um dos líderes do movimento de protesto do Corpo de Bombeiros, o cabo
Benevenuto Daciolo [foto], afirmou ao portal Terra, que o governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, "é omisso, tem muitos adjetivos, mas não poderia ser governador". Segundo o bombeiro, que está entre 439 detidos, a corporação vive "um problema ditatorial em pleno século XXI". Com a voz bastante rouca, ele afirmou que os bombeiros foram colocados em ônibus e levados à Corregedoria da Polícia Militar, onde muitos ficaram deitados "no chão frio".
Apoio
Ainda nesta tarde, cerca de 200 bombeiros realizam manifestação no viaduto Alim Pedro, em Campo Grande, zona Oeste do Rio de Janeiro, apoiando o movimento dos agentes iniciado na tarde de ontem, 03, por aumento salarial e melhores condições de trabalho.
A Assessoria do Corpo de Bombeiros informou que não sabia do protesto em Campo Grande. Ainda de acordo com a corporação, os quartéis funcionam normalmente, sem paralisação.

(*) Com informações Terra e R7

2 comentários:

  1. O que está por trás dos bombeiros.



    Nos últimos meses venho acompanhando as manifestações que alguns bombeiros vem realizando em frente a assembléia legislativa, ali na rua 1° de março. Confesso que estive presente nas duas primeiras manifestações deste ano, mas não mais retornei. Ficava ali, parado e assistindo cinco ou seis bombeiros e PMS disputarem o microfone, tomando minutos repetitivos que pareciam nunca terminar. Cada um querendo aparecer mais que outro. Eram sempre os mesmos. Normalmente, do lado dos bombeiros, era gente que tinha seus próprios vínculos políticos com deputados e vereadores. Infelizmente gente que verdadeiramente poucas horas de trabalho dedicou ao CBMERJ.

    Tempos depois, li no jornal que seis ou sete bombeiros haviam sido presos por incitar greve. Ao ver cada nome, lembrava dos panfletos que recebi em época de eleição e me perguntava, se uma instituição centenária merecia ser usada para alavancar a carreira de meia-dúzia.
    Gostaria que todos vocês ao lerem os nomes dos lideres desse movimento, fossem até o Google e checassem quais não foram candidatos nas ultimas eleições.

    Os três principais lideres são:

    Capitão alexandre Marchesini (Candidato a deputado pelo PR)
    Capitão Lauro botto (candidato a deputado pelo PV)
    Cabo Benevenuto (candidato a deputado pelo PRTB)

    E os dois principais PMs que discursam sempre são:

    Coronel Paul (Candidato pelo DEM)
    Cabo Gurgel (candidato pelo PTB)

    Será que não está óbvio que essa gente quer uma melhoria pra elas próprias?

    O CB Benevenuto, por exemplo, passou os últimos 4 anos lotado em um gab de deputado e depois saiu candidato.
    O Capitão Marchesini, foi candidato pelo partido do Garotinho. Por que ele não cobrou do Garotinho este aumento na época que ele era governador?

    Acordem. Esse pessoal nunca foi bombeiro de verdade. Todos os que ali estão só querem usar a corporação como trampolim político. Já vi vários deputados bombeiros serem eleitos e a coisa só mudou para eles.
    Quando fiz minha escolha por um serviço publico, eu sabia que o salário era baixo, mas decidi ingressar pela estabilidade. Foi uma escolha minha, troquei o salário mais alto da iniciativa privada, pela estabilidade de um emprego publico. Não vou agora me vitimizar por minha própria escolha. Isso seria safadeza.

    Vejo até crianças sendo levadas aos protestos. Ora, pra que alguém vai levar crianças para uma manifestação? Só se for pra servir de escudo humano, não há outra justificativa. Isso é atitude de oportunista covarde.

    Óbvio que bombeiro ganha pouco. Assim como todo funcionalismo e é uma situação que ouço desde que me conheço por gente.

    Vamos melhorar sim, mas não com essa turma que aí está.

    ResponderExcluir
  2. Prezado Carlos, fico-lhe grato pelo comentário e reafirmo o caráter democrático deste blog, aberto às diversas manifestações. Grande abraço e bons dias a todos.

    ResponderExcluir

Prezados (as), reservo-me ao direito de moderar todos os comentários. Assim, os que me chegarem de forma anônima poderão não ser publicados e, desta forma, tão menos respondidos. Grato pela compreensão, espero contribuir, de alguma forma, com as postagens neste espaço.