quinta-feira, 9 de junho de 2011

Demissão do ministro Luiz Sérgio é tida como certa

Líder petista, deputado Paulo Teixeira critica disputa interna por cargo e pede unidade aos colegas de partido para apoiar governo

Brasília, Brasil – O líder do PT na Câmara, Paulo Teixeira (SP) [foto], condenou nesta quinta-feira, 09, as
movimentações paralelas de integrantes de seu partido que se lançaram em negociações ostensivas sobre o nome do provável substituto de Luiz Sérgio (PT/RJ) na Secretaria de Relações Institucionais do governo.
Segundo Teixeira, “é fundamental colocar um ponto final nessa disputa, em nome da unidade da bancada e do governo. Nenhuma movimentação se legitima enquanto ele [Luiz Sérgio] ainda estiver no cargo”, salientou lembrando que, apesar dos rumores de demissão, oficialmente, o ministro continua no governo.
O Palácio do Planalto ainda não confirmou a troca nas Relações Institucionais. Nesta semana, Antonio Palocci deu lugar à senadora Gleisi Hoffmann, nova chefe da Casa Civil.
Bastidores
A crítica de Teixeira mira as articulações encabeçadas pelo líder do governo na Câmara, deputado Cândido Vaccarezza (PT/SP) [foto], à sua revelia.
Na manhã de hoje, 09, Vaccarezza, acompanhado do presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), João Paulo Cunha (PT/SP), e do vice-líder José Guimarães (PT/CE), reuniu-se com lideranças do PMDB – senadores José Sarney (AP) e Renan Calheiros (AL) – e com o líder do PT no Senado, Humberto Costa (PE).
Oficialmente, Vaccarezza alegou que o tema das conversas era o novo rito das medidas provisórias. Nos bastidores, entretanto, a pauta foi a sucessão de Luiz Sérgio.
Animosidade
Teixeira disse que aguardará a definição das mudanças na articulação política, iniciadas com a demissão de Palocci, para iniciar movimentos voltados à pacificação da bancada. “É preciso cessar de vez essa disputa”, observou o parlamentar.
Desde a derrota de Vaccarezza para o gaúcho Marco Maia (PT) na disputa pela presidência da Câmara, o clima de conflagração na bancada federal do PT se agravou.
Indicação
No auge da crise política, o nome de Vaccarezza despontou como favorito para a sucessão de Luiz Sérgio. Mas, para tanto, deve negociar e dar seu apoio ao nome do ex-presidente da Câmara, Arlindo Chinaglia (PT/SP) ou do deputado Pepe Vargas (PT/RS), ambos ligados ao atual presidente da Casa, Marco Maia, para ocupar a vaga de líder na Câmara.
Por outro lado, é grande a aceitação do PMDB quanto ao nome da atual ministra da Pesca e Aqcultura, Ideli Salvatti (PT/SC), à qual o partido do vice-presidente da República e presidente Nacional do PMDB, Michel Temer, tem grande simpatia.
Conforme fontes do Palácio do Planalto, fato é que, irritada com a disputa desenfreada dentro do seu próprio partido e ante a dificuldade para se chegar a um nome de consenso, a presidenta Dilma Rousseff poderá tomar uma decisão independentemente da posição dos deputados.
Em sendo assim, a cotação está em alta pelo nome da ministra Ideli Salvatti. Mas, se a presidenta apenas mudará a pasta de Salvatti, quem assumirá a vaga dela na Pesca e Aqcultura?

(*) Com informações R7

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Prezados (as), reservo-me ao direito de moderar todos os comentários. Assim, os que me chegarem de forma anônima poderão não ser publicados e, desta forma, tão menos respondidos. Grato pela compreensão, espero contribuir, de alguma forma, com as postagens neste espaço.